as 3 peneiras! ou como parar boatos!


http://daherblog.spaces.live.com/blog/
 Quando estamos em período de campanha eleitoral, ou em alturas em que a forma mais fácil de obter resultados é "falar mal", devia ter-se em consideração a história a seguir contada, e que circula por mail e na internet. Os candidatos envolvidos nesta campanha ganhariam mais, se a tivessem presentes (humilde opinião). E não correriam o risco de ver o tiro sair pela culatra, ou virar-se o feitiço contra o feiticeiro. Volto a relembrar o dito no post anterior, quando apontamos o dedo a alguém, temos 3 dedos apontados a nós. Por vezes não temos é essa consciência.
Esta é uma história que deveria ser implementada por todos nós, e acredito que seria um contributo para a diminuição de casos de trucidação de carácter que facilmente por aí encontramos! Se cada um de nós pensar nas 3 peneiras propostas, acredito que o boato tenha uma diminuição significativa.


As Três Peneiras de Sócrates
Um homem foi ao encontro de Sócrates levando ao filósofo uma informação que julgava de seu interesse:
- Quero contar-te uma coisa a respeito de um amigo teu!
- Espera um momento – disse Sócrates – Antes de contar-me, quero saber se fizeste passar essa informação pelas três peneiras.
- Três peneiras? Que queres dizer?
- Vamos peneirar aquilo que quer me dizer. Devemos sempre usar as três peneiras. Se não as conheces, presta bem atenção. A primeira peneira é a da VERDADE. Tens certeza de que isso que queres dizer-me é verdade?
- Bem, foi o que ouvi outros contarem. Não sei exactamente se é verdade.
- A segunda peneira é da BONDADE. Com certeza, deves ter passado a informação pela peneira da bondade. Ou não?
Envergonhado, o homem respondeu:
- Devo confessar que não.
- A terceira peneira é a da UTILIDADE. Pensaste bem se é útil o que vieste falar a respeito do meu amigo?
- Útil? Na verdade, não.
- Então, disse-lhe o sábio, se o que queres contar-me não é verdadeiro, nem bom, nem útil, então é melhor que o guardes apenas para ti.

O filme seguinte também nos conta a mesma história:

Enviar um comentário