Liliane Marise

É absolutamente extraordinário o papel feito pela atriz Maria João Bastos. Fez um papel de cantora de música pimba, com curvas assinaláveis e sempre prontas a saltar para fora das curtas e/ou apertadas vestes. Para mim, torna-se ainda mais extraordinário, pois identifico a atriz com um certo “low profile” que pouco ou nada tem a ver com a sua personagem. No entanto...

Nelitos e Idálias

Esta novela, com a sua Liliane Marise, dá a qualquer um a possibilidade de ver a novela descansadamente, tal qual Nelo e Idália, sem grandes justificações. As Idálias ficam contentes, pois finalmente têm a companhia do marido, nem que seja com a divisão do seu mais que tudo, por duas. Provavelmente não há uma divisão tão grande assim. No entanto, a Idália não pede justificação, e usufrui do momento, ouvindo o seu estilo musical preferido e fazendo criticas mais ou menos veementes à maluca (que inveja) da Marise. Os Nelitos põem os olhos a pastar e sabem de antemão que nenhum amigalhaço terá a coragem para lhe chamar “panisgas” ou coisa que o valha. Se fosse só uma novela, tudo bem, mas os Nelitos pode sempre justificar que é a Marise que estão a ver. Nem o Zezé Camarinha poderá ousar insinuar qualquer coisa menos máscula quando o Nelito está a ver aquele “avião”. Corre o risco de se voltar contra o baluarte da masculinidade de Portugal e do Reino dos Algarves.

Casos espantosos

O caso da Liliane Marise é fabuloso. Uma caricatura de algumas das nossas cantoras pimba e “voilà”: sucesso de bilheteira! E assim nasce uma estrela.Estrela esta que tem uma diferença significativa do nascimento de outras como os Excesso, Emanuel, Ágata, Mónica Sintra, a sua musa inspiradora Ana Malhoa ou tantas/os outros artistas de cariz popular. A grande diferença passa por ter “prime time” na TVI e nos espetáculos desta estação, contribuindo para martelar a música na cabeça de qualquer cidadão. Assim, o fator repetição numa estação de massas, aliado ao brilhantismo enquanto atriz de quem dá o corpo à personagem, aliado a um sensualidade tropega, mas consciente e voluntária, que faz efeverscer os desejos mais primários dos “donos de casa”,  têm um resultado absolutamente fantástico: um espetáculo no MEO Arena. Acredito que tal como Tony Carreira, encha o pavilhão. Enquanto os D’ZRT ou o FF ou outros saídos dos Morangos com Açucar não me espanta, pois o público-alvo é adolescente e jovem adulto, com a natural procura de ídolos semelhantes a si, para poderem ser iguais ou parecidos com esses ídolos, numa faixa etária menos jovem, como deve ser o público-alvo desta novela, é espantoso o sucesso que teve esta caricatura. Alguns mais eruditos dirão que o povo é isto e aquilo. O certo é que Liliane Marise já atingiu o seu Disco de Ouro, fasquia nunca alcançada por muitos que tecnicamente lhe são gigantescamente superiores. Mas há mais vida para além da técnica e este caso diz-nos que, em muitas situações, “o povo é quem mais ordena”. É minha profunda convicção que as multidões ou o povo ou as massas, como se queira chamar, é inteligente. Esta música diverte-nos, dá-nos alegria e faz-nos esquecer as agruras da vida durante longos minutos. Percebo, compreendo mesmo que o MEO Arena encha.

Chico Xavier

“Torço pela felicidade dos outros! Gente feliz não enche saco!” Não sei se esta frase é do Chico Xavier, um popular médium e filantropo brasileiro que alcançou fama além fronteiras, mas podia ser perfeitamente. E se ele tivesse dito esta frase acrescentaria que, se o povo fica feliz por ver a Liliane, porque não? Porque não há-de ser feliz com aquilo que mais gosta! Assim, não enchem o saco! Uns dos outros e o meu. Mas digo o mesmo dos criticos da Liliane! Porque não vão ser felizes? Porque não vão ouvir a vossa música preferida e sonhar! Seja fado, jazz, clássica, hip-hop ou reggae, seria melhor ouvir a música que vos deixa felizes e deixar cada um ser feliz com a música que melhor o preenche.
Agora cito Chico Xavier para dizer que “eu permito a todos serem como quiserem, e a mim como devo ser”. Esta parece ser uma boa filosofia de vida.

Volta Maria João

Apesar de não ter nada contra os artistas populares, e ver muitos de nós a dançar e cantar as músicas de José Cid, que passou de cantor pimba nos anos oitenta a cantor de culto ou cantor capaz de apelar aos nostálgicos sentimentos e recordações de uma época em que tudo parece melhor (a esta distância), com espetáculos em salas onde anteriormente dificilmente poderia aspirar atuar, espero que tu, Maria João Bastos não fiques deslumbrada pelo teu novo estatuto de estrela musical e voltes ao teu papel principal de atriz. Não pela Liliane Marise, mas pela atriz que se perderia, se este papel se tornasse o papel da tua vida!

[DN]
[noticiasaominuto]
Enviar um comentário