a escola dos animais


Alguns animais, para resolver problemas que começaram a surgir, decidiram começar uma escola. Os cursos incluíam corrida, alpinismo, natação e voo. Decidiram que todos os animais deveriam fazer todos os cursos.
O pato era melhor do que o seu professor em natação, no entanto tirou apenas uma nota média na matéria de voo, o suficiente para ser aprovado mas, na corrida era fraco.

Então a organização fez com que ele saísse das aulas de natação e ficasse depois do horário das aulas para treinar mais a corrida. Por correr muito e praticar muito, ficou com as patas em ferida e inchadas pelo que começou a fraquejar na natação. Todos os outros alunos de natação se sentiram menos ameaçados e mais confortáveis acerca desse facto, exceto o pato, claro.
O coelho começou como o melhor aluno da classe em corrida, mas por causa do seu empenho em nadar melhor, apanhou uma pneumonia e teve que sair da escola.
O esquilo mostrou uma tremenda habilidade em alpinismo. Já nas aulas de voo ele não era nada bom, estava até frustrado porque o professor insistia em que ele começasse a voar a partir do chão em vez de saltar de uma árvore para outra.
Ele desenvolveu uma cãibra resultante do cansaço de tal maneira que teve uma nota baixa em alpinismo e outra ainda mais baixa em corrida.  
A águia era uma estudante problemática e foi disciplinada por ser uma não-conformista. Por exemplo, na classe de alpinismo, ela podia superar qualquer aluno chegando mais rápido ao topo das árvores. Mas ela insistia em fazer isso de sua própria maneira para chegar lá. Finalmente, porque ela se recusava a participar nas aulas de natação, acabou sendo expulsa da escola.

A solução passa por dar resposta a uma pergunta simples: Quem não tem asas pode aprender a voar? Estamos a focalizar nos pontos fracos em vez de desenvolver e melhorar os pontos fortes? Se somos bons em algo, porque não melhorar essa capacidade/habilidade e sermos mesmo muito bons naquilo? Ainda por cima, evita as frustrações associadas a insucessos decorrentes de pouca habilidade para uma disciplina e a frustração correspondente. Para assegurar o sucesso, é fundamental explorar e treinar as habilidades e competências existentes, e perceber quais as que, mesmo sendo menos fortes, sejam fundamentais para a sua atividade. Neste caso, pode ser necessário limar uma ou outra competência, fora dos pontos fortes, mas o reforço, deve ser claramente nos pontos fortes.

Um pato foi feito para ser um pato, a águia para ser águia, ninguém mais.

E o Ornitorrinco? Claro que existem ornitorrincos. Ave, réptil e mamífero num só animal. Magnífico! Mas este animal começa a entrar na esfera dos super-heróis! São raros.
Enviar um comentário