Há alguém que perceba de justiça? ou a história de uma peixeirada!

Percebo pouco de justiça e cada vez estou mais convencido que são raros os que percebem de justiça. Mais raros ainda são os que a conseguem fazer!

Este fim de semana os advogados reuniram-se, e o que fica do congresso para o cidadão comum. é a peixeirada entre o Bastonário da Ordem e a Ministra da tutela.

Eu não sei quem tem razão, mas acredito que essa mesma razão seja repartida em partes que podem tender para um lado ou para o outro da contenda. Há aqui dois factores que parecem interessantes:
1. O Bastonário encontrou alguém que responde à letra, e que prova que não é o tom de voz que dá razão a qualquer das partes.
2. Há duas pessoas que defendem convictamente as suas posições e não estão dependentes do "politicamente correcto".

Seria mais fácil para a Ministra fazer de conta que nada tinha sido dito, mas gostei de ver alguém que teve a coragem de dizer frente ao seu "adversário" aquilo que pensava sobre o assunto e sem papas na língua, característica muito associada ao Bastonário. Particularmente aprecio, a coragem que demonstra, embora considere que é exagerado em muitos casos. É uma questão de estilo, que é compensada com a coragem demonstrada.

Seria bom que na política e nas instituições, aparecessem mais pessoas com esta frontalidade e sem estudar cada passo que dão, mesmo engolindo sapos do tamanho de elefantes, apenas para não prejudicar o carreirismo político de que dependem. Até porque, se for uma questão de convicção, este tipo de postura aguerrida favorece mais do que prejudica quem o pratica.
É caso para dizer: temos mulher:
Paula Teixeira da Cruz diz que só Marinho e Pinto é excepção ao diálogo na Justiça

No entanto, não deixa de ser mais uma machadada no prestigio da justiça. Não favorece nenhuma das partes. Quando se chafurda na porcaria, mesmo quem está de lado, fica sujo!
Enviar um comentário