O legado


O que quero para o futuro dos meus filhos?


Uma questão que de quando em quando ocupa os meus pensamentos é: qual o legado que quereria deixar para vocês, queridos filhos?
Invariavelmente, surgem dois níveis de análise... um macro, mais global, com uma capacidade limitada de mudar a situação sozinho e um micro, correspondente à capacidade efetiva que temos para mudar o mundo que nos rodeia e ao contexto sob a nossa influência. Este último, é aquele sobre o qual podem ter intervenção direta.

O legado macro:


Quando penso no legado macro, revejo-me nos discursos preparados dos concursos de Miss Portugal, Miss Mundo ou Miss Universo. No entanto, é um desejo sentido e profundo, que não foi escrito ou pensado por ninguém para parecer bem. E embora pareça bem, quero que vocês saibam que seria um legado que respeitasse a minha aprendizagem durante a vida e a perceção que tenho do  mundo. Este legado macro, teria duas grandes linhas de orientação:
i) a paz no mundo;
ii) um planeta saudável e sustentável para poderem viver bem.


O legado micro:


No que se refere ao legado micro, o conforto é maior, pois podemos ter ações no nosso dia a dia com grande impacto na nossa vida Se tivesse que escolher 3 grandes linhas de orientação, seriam:
i) estuda muito... obtém conhecimento e coloca-o em prática, sempre que tiveres oportunidade.
ii) Respeita todas as pessoas, incluindo a tua pessoa.
iii) Aprende o Eneagrama, coloca-o em prática e ensina-o a quem te rodeia. 

De volta ao legado macro:


Porquê esta preocupação com estas duas grandes linhas de orientação?

i) a paz no mundo * quanto a esta linha, todos já vimos o poder das armas de destruição massiva, das armas nucleares. Se adicionarmos a esta panela de pressão a loucura que se tem apoderado dos governantes deste planeta, constata-se que, apesar do número de conflitos ter diminuído significativamente, nos últimos anos, o poder destrutivo de cada conflito é assustadoramente maior. Cada vez mais, uma só pessoa pode dizimar a humanidade com uma facilidade brutal e sem contraditório. Por isso, admiro os embaixadores da paz, sejam eles quem forem e estejam em que áreas de atuação estiverem. Todos seremos poucos para assegurar um mundo mais pacífico.
Se estivesse nas minhas mãos, deixar-vos-ia este legado.

ii) um planeta saudável e sustentável para poderem viver bem. Embora haja teorias sobre as alterações climáticas e a sua origem noutros fatores que não os homens e o seu impacto sobre a natureza, eu acredito numa relação profunda entre as alterações climáticas que se têm verificado com as ações dos homens. É minha convicção profunda que a consequência (alterações climáticas) estejam diretamente e proporcionalmente ligadas à causa principal (ação do homem). E se em muitos aspetos a mudança para pior se propaga lentamente, como a poluição atmosférica e dos oceanos, com impacto significativo na nossa qualidade de vida direta (ar que respiramos e alimentos que consumimos), há outros aspetos que deviam levar a níveis de alarme grave e atuação rápida (os vários acontecimentos climatéricos e as suas alterações significativas das quais, todos nós nos no nosso dia a dia). Desconfio que a tendência será para piorar, prevendo a necessidade de uma enorme capacidade de adaptação para enfrentar as intempéries cada vez mais comuns e mais poderosas, e provavelmente, para poder mudar de lugar em muitos momentos da sua vida, não por opção, mas por necessidade.
Se estivesse nas minhas mãos, deixar-vos-ia este legado.

De volta ao legado micro:


Se, no que respeita ao legado macro, a nossa atuação pode ter uma influência reduzida, relativamente ao legado micro, podemos mudar a nossa vida permanentemente. Assim, eu daria maior relevância a esta áre micro e, quanto maior controlarmos e gerirmos esta zona, maior é a probabilidade de alargar a nossa área de intervenção direta. Falando das 3 linhas de orientação:

i) estuda muito... obtém conhecimento e coloca-o em prática, sempre que tiveres oportunidade.
Já dizia Aldous Huxley "conhecimento não é o que sabe, mas aquilo que faz com o que sabe!". Por isso, a finalidade do conhecimento de que aqui falo, não é propriamente o saber muito e ter muita informação na cabeça. Devemos estudar, devemos aprender para por em prática. Ter prazer em aprender pelo que isso nos proporciona, e não para tirar boas notas. As boas notas serão uma consequência natural do conhecimento obtido e dominado.

ii) Respeita todas as pessoas, incluindo a tua pessoa. Em muita literatura, existe a chamada "regra de ouro" dos relacionamentos e que diz "não faças aos outros aquilo que não gostarias que te fizessem.".Esta será condição necessária, mas não suficiente para ter uma vida boa e tranquila com boas relações familiares e sociais. Há uma outra frase que surgiu a partir desta e que diz: "faz aos outros aquilo que gostarias que te fizessem". Esta frase tem uma boa intenção, no entanto, pode ser intrusiva. Eu diria que o ideal será aproveitar o melhor das duas frases e criar uma outra "faz aos outros aquilo que percebes que eles gostam, desde que não vá contra os teus valores". Esta questão leva-nos ao respeito por todas as pessoas, por saber que todos somos importantes. Não te julgues melhor nem pior que os outros. Cada um de nós tem uma função, uma missão. Por vezes não entendemos a missão dos outros... por vezes procuramos uma vida inteira pela nossa missão e não a conseguimos encontrar. Lembra-te ainda que também tu és uma pessoa, pelo que deves assegurar que és igualmente respeitado por ti - cuida-te bem - e pelos outros - não estejas muito tempo junto de quem não te respeita... é tóxico.



iii) Aprende o Eneagrama, coloca-o em prática e ensina-o a quem te rodeia. Quando chegares aos vinte anos, estuda o eneagrama. Não deixes passar muito tempo. É uma ferramenta milenar, um mapa psico-espiritual (não confundir com religiosidade), que te permite aprofundar o conhecimento sobre ti próprio, e dá-te uma perspetiva dinâmica da tua vida. Permite-te ter uma consciência maior dos pontos fracos e dos pontos fortes quando estás num estado normal da tua vida, quando estás com níveis de stress acima do desejável, e quando estás com um estado de espírito positivo. Temos formas de estar e de reagir diferentes e esta ferramenta permite-nos ter a consciência sobre como estamos em cada momento e, desta forma, agir da melhor maneira possível para aproveitar os pontos fortes, ou para minimizar os pontos fracos. E para fazer que sejam cada vez mais os momentos de "estado de espírito positivo", na tua vida. Vais aprender muito do que é transmitido pelo eneagrama, ao longo da vida. No entanto, este é um atalho para o conhecimento que te permite ter uma vida melhor contigo mesmo e com os teus relacionamentos de diversa ordem. Tenho sentido o poder do eneagrama. Não há milagres, nem receitas milagrosas, mas há trabalho pessoal potenciado com conhecimento precioso. Um tesouro que pode ser explorado por todos e que eu muito gostaria que vocês o explorassem. Não se incomodem por saber que têm defeitos... Todos temos... Incomodem-se por não os conhecer e não saber como os reduzir significativamente. Vão-se compreender bem melhor e vão compreender quem vos rodeia. Acredito que vos possa ajudar a saber o vosso propósito de vida... a vossa missão.

O que quero para o futuro dos meus filhos?


Os aspetos macro, são difíceis de controlar e têm todo um contexto e relações macro que os influenciam.

Se vocês integrarem estas 3 linhas de orientação globais do legado micro, ficaria muito feliz... estes são aspetos que podem contribuir para uma vida alegre, com muitos momentos felizes e com sentido.

Assim, à questão: O que quero para o futuro dos meus filhos?

Gostaria que aproveitassem os pilares atrás descritos e que não se esqueçam de que:
A vida é bela... Vamos aproveitá-la, juntos, o melhor que soubermos...

E tu? O que queres para o futuro dos teus filhos?
Enviar um comentário