Desodorizante Mineral de Alúmen


A Elsa apareceu cá em casa com um calhau semelhante ao da fotografia, que a Catarina Paiva lhe empandeirou, muito contente porque alegadamente tira o cheiro a "sovacum" e melhor que tudo, segundo ela, não empastela as camisas.

É suposto ser um desodorizante.


Como sou um céptico, achei que era a mesma coisa que a pedra 444 da barba e fugi. Já me via um dia inteiro tipo albatroz com as asas paralelas ao chão.


Não serviu de nada fugir. Homem que é homem sabe que em casa manda tudo aquilo e apenas o que a mulher lhe deixa mandar e lá acabei por ceder. Molhei o calhau, fechei os olhos, cerrei os dentes e esfregacei as axilas. 


Não aconteceu nada.


Fiquei um nadita desapontado. Nem um ardor. 


Mais de dez horas passadas, não há um cheiro que seja para contar a história.


Fiquei com a pulga atrás da orelha e fui pesquisar à net.


Eis então que descubro que é uma coisa antiga, que a malta do norte de África usa há gerações e que o método de funcionamento é do mais básico que existe: não evita a transpiração, limita-se a matar a bicheza que produz o mau cheiro.


Serve como desodorizante e como cicatrizante após a depilação e afinal é praticamente igual à tal pedra 444 que se usa como after-shave. Apenas não arde.


Quanto às contra-indicações, tem qualquer coisa a ver com o alumínio e a sua ligação a alguns tipos de cancro, mas o lado bom é que tem em quantidades infinitamente mais pequenas que os desodorizantes que usamos normalmente.


Continuo sem perceber porque é que não é mais usada.


Para os interessados, a Catarina vende-a na Cais Pharma e a coisa chama-se pedra alumen.

Autor: Pedro Costa (Pedro Costa)


Conheça melhor o produto em: Desodorizante Mineral de Alúmen
Enviar um comentário