Crianças: Falta de concentração ou falta de brincadeira?




“Nós não paramos de brincar porque ficamos velhos, nós ficamos velhos porque paramos de brincar.” 
GEORGE BERNARD SHAW

Para um bom começo de semana é ótimo saber que brincar aumenta a concentração!

De acordo com a Activa, "a falta de concentração não existe"!

"Então, por que é que as crianças se arrastam para completar uma tarefa ou perdem o interesse facilmente? A questão interessa-nos a todos, pais e professores, mas a resposta pode não ser a que estávamos à espera.

Hoje em dia, 7 em 10 crianças têm problemas de concentração. É o que mostram os estudos (ver www.oxfordlearning.com) e o que diz a experiência dos professores. O que não é de estranhar: no mundo de hoje, a velocidade é uma regra: cada ‘plano’ na televisão não dura mais de 3 segundos. E depois pedem-lhes que estejam sentados e quietos na escola. De qualquer maneira, há quem defenda que não é por aí... 

“Isso não existe. A falta de concentração.” 

Ok. Começamos logo bem. Pedi à psicóloga Rita Xarepe que me explicasse as causas da falta de concentração que leva tantos pais ao desespero durante os TPCs. Agora afinal não existe. “Até hoje, não conheci criança nenhuma que, quando me fala do que sente ou das suas opiniões ou do que se passa com ela, tenha mostrado dificuldades de concentração”, explica Rita. “Podem ter dificuldades em concentrarem-se naquilo que a escola ou os pais pretendem. Mas mesmo aí é possível encontrar uma zona de confluência. Tem de haver interesse para haver concentração. Claro que há miúdos mais desligados: às vezes, parece que nem eles sabem o que é que lhes interessa. Mas chega-se lá.” 

Andamos a exigir-lhes demais? 
Chega? Como? Imagine que a minha filha senta-se à mesa para fazer os TPCs mas a mente dela está constantemente noutra… “Isso é porque aquilo não lhe interessa nada. Mas pode perguntar: ‘O que é que te interessa neste momento? O que é que queres fazer?’ Vão fazer um bocadinho do que lhe interessa a ela e depois voltem. Para perceber por que é que ela não chega onde tem de chegar, tem de ir ao encontro dela. E a única maneira é dispor-se a estar com ela sem qualquer tipo de obrigação. Só com estes pequenos momentos é que se chega a eles. Porque aí já há uma partilha. Já pode começar a trazê-la para a zona onde a quer, porque já lhe deu o seu tempo, e ela já confia em si. Sem relação, eles não nos dão nada.” É verdade que, se recuar aos meus tempos de estudante, lembro-me de ter facilidade em concentrar--me para fazer os TPCs. Mas quando me lembro de mim nessa situação, tinha… 14 anos? Agora, crianças de 6 anos já sofrem todos os dias com cargas absurdas de trabalhos. “O problema é quando os TPCs são inúteis, cansativos e repetitivos. Claro que depois as crianças recusam-se a dar mais do mesmo. O stresse dos TPCs mata qualquer ambiente familiar minimamente agradável, e há muitas crianças que não aceitam essa situação”, nota Rita. “Na maioria das vezes isto não é um ato de rebeldia consciente, até porque os miúdos sentem que estão a desapontar os pais, que deviam ser capazes, que deviam fazer um esforço. Mas de facto eles não são capazes de dar mais e nós devíamos respeitá-los. Isso dinamita a relação pais-filhos, quando era suposto a casa ser um espaço de partilha.” 

Brincar antes de trabalhar 
A família toda está stressada? Leve o seu filhoao parque durante meia hora antes de começar a fazer os trabalhos, defende a psicóloga francesa Anne Lanchon, em www.psychologies.com. 

“A atividade física é calmante. Brincar antes de fazer os trabalhos devia ser a regra, porque depois de um dia inteiro sentada na escola, a criança precisa de uma atividade física não controlada, onde possa despender energias. A capacidadede concentração sairá muito melhorada.”

Notícia original: "a falta de concentração não existe"
Enviar um comentário