bode expiatório!


“A expressão bode expiatório tem a sua origem no ritual judeu do Livro dos Levíticos, em que Aarão ao pôr as mãos sobre a cabeça de um bode transmite para este animal todos os pecados do povo de Israel. As palavras bode expiatório fazem hoje parte da nossa linguagem comum e são aplicadas em qualquer situação em que um inocente é responsabilizado por uma culpa que não tem. Nas relações entre etnias dominantes e dominadas este processo ocorre frequentemente, especialmente em épocas de crise, em que uma sociedade transfere para uma minoria frágil e facilmente identificável os seus medos e infortúnios. Nas sociedades ocidentais actuais, na Europa e EUA, são os africanos, asiáticos ou latinos que ciclicamente são responsabilizados pelo desemprego, pela crise económica ou pela criminalidade; na História mais recente foram os judeus e os negros a sofrerem a perseguição pelos mesmos motivos. Mas os alvos da transferência são muitas vezes também grupos sexuais, políticos ou religiosos, como os católicos na Irlanda do Norte, que são e foram usados ao longo dos tempos como bodes expiatórios.Uma das características principais dos bodes expiatórios, quer sejam grupos de pessoas ou indivíduos, é a falta de poder, ou seja, a sua incapacidade de lutar por meios legais ou violentos relativamente àqueles que os oprimem e de, paralelamente, já sofrerem alguma forma de marginalização pela sociedade onde estão inseridos. Uma outra característica é a incapacidade de o grupo dominante compreender as razões reais e profundas do seu descontentamento, sendo mais fácil e simples canalizar as suas frustrações para os outros, só porque estes são diferentes. Estes bodes expiatórios evitam análises mais profundas, e eventualmente dolorosas sobre os fundamentos e as verdadeiras razões dos problemas, não os resolvendo e adiando-os indefinidamente. Porque não são nunca resolvidos, eles voltam ciclicamente a afectar as sociedades que escolhem os mesmos ou novos bodes expiatórios, já que sempre que há uma pessoa, grupo ou etnia diferente, é caracterizado por um estereótipo que normalmente se torna o "gatilho" que despoleta a canalização da agressão.” Em:
bode expiatório. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2010. [Consult. 2010-09-01]. Disponível na www: .
Lembro-me vagamente de uma tradição existente com o bode expiatório. Não sei o onde, se ainda se faz, e quais as características detalhadas da tradição. Tenho apenas a recordação de ter lido ou ouvido em algum lado que os habitantes de determinada povoação, uma vez por ano, escreviam de forma anónima acontecimentos, ou situações que pretendiam desresponsabilizar-se, ou aliviar-se. Aparentemente escreviam num papel que era colocado nos cornos do bode, que era enviado para o meio da serra, para que fossem expiadas as culpas dos sujeitos em questão.
Esta figura simpática e útil para muitos, aparentemente reencarnou nalguns tipos ou conceitos. Recordo-me de imediato de 2!
O Carlos Queiroz, na selecção;
O Roberto, no Benfica!
A crise, na economia!

Os ciganos ou os pretos, sempre que há problemas sociais ou batatada!
O antecessor, na política!Uma grande dúvida minha é, o que fazer com este conceito? Como o combater o conceito, responsabilizar mais as pessoas, e procurar soluções, mais do que culpados!
Imagem: Bode expiatório de William Holman Hunt
Enviar um comentário