Sucesso para 2018 e reflexão sobre o que é o sucesso?


Nesta altura de mudança de ano, os votos de sucesso são comuns. Assumir diferentes formas, em texto, em imagens ou vídeo, no entanto, a finalidade é semelhante. Eu gosto que me desejem sucesso! Também o desejo a quem me rodeia. Acredito que se quem me rodeia tiver sucesso, a minha vida terá igualmente mais sucesso. Em termos familiares, profissionalmente, com amigos, comunidade ou outras relações que vamos tendo à nossa volta, o sucesso de uns só pode aumentar a probabilidade de sucesso dos outros. Acredito no conceito ganha-ganha. Apesar de sermos formatados ao longo de uma vida para o conceito de perde-ganha, acredito que é mais eficaz, com melhores resultados e mais trabalhoso o conceito de ganha-ganha. Quando alguém ganha, os outros não têm que perder. Quando alguém ganha, todos podem ganhar com isso, como há vários exemplos no reino animal (o tubarão e as rémoras), ou a associação de empresas e/ou organizações.

Os votos de sucesso recebidos, fazem-me refletir sobre o que é o sucesso...

Lembro-me de ter lido numa revista, há uns anos, uma história que me marcou sobre o conceito de sucesso. A história era sobre dois estudantes que tinham bons resultados académicos. Eram os dois excelentes alunos. Qual era a grande diferença entre eles? Tinham os dois uma média acima de 18 valores. Eram os dois trabalhadores. Um deles conseguia ter vida social e ajudar os outros colegas com mais dificuldade. O outro focava-se tanto em si, que não via os outros, não partilhava o seu conhecimento com os outros e procurava esconder os seus apontamentos. E, no artigo, perguntava qual teria mais sucesso. Curiosamente, tive dois colegas que encaixam perfeitamente nos perfis descritos... dois alunos exemplares, em termos académicos. Um deles estudava imenso e, graças à sua disciplina impressionante, conseguia ter tempo para a sua vida social activa, para fazer parte de uma tuna, de um grupo musical com projeção internacional e ainda saía para eventos académicos com frequência. O outro aluno, trabalhava muito e essencialmente para ele. Guardava os seus apontamentos, que eram muito bons, sendo difícil que os partilhasse com outros colegas - não era impossível e também beneficiei das suas partilhas, no entanto eram apenas as pessoas que escolhia como "dignas" de receber os seus apontamentos. Saía uma vez por ano, na altura das festas académicas e não era uma pessoa de fácil relacionamento. Qual era o aluno que tinha sucesso? Não sei... Depende do que é o sucesso para cada um deles. Eu acredito que o que partilhava e tinha a vida social mais desenvolvida, tem uma maior probabilidade de ter sucesso e o passar da vida, induz a quem está de fora, a acreditar que o colega que era mais virado para o exterior, para as pessoas, tenha mais sucesso. No entanto, depende muito da motivação de cada um dos estudantes.

É importante definir o que queremos na vida e o que é o sucesso para nós. Assim, será mais fácil perceber se alcançamos o sucesso ou não. Até porque há várias áreas da vida que precisam do sucesso: a família, os amigos, o romance, a saúde, a carreira, a vida financeira entre outros. Estas áreas levam-me a pensar que é fundamental haver um equilíbrio entre diferentes vertentes da vida. É difícil encontrar uma pessoa que tenha bons resultados profissionais e que tenha carência de afetos por parte da família que se considere uma pessoa de sucesso, ou melhor, que seja uma pessoa satisfeita ou feliz. Ou que ganhe bom dinheiro, mas não goste do que faz...

Assim, cada um de nós tem que saber o que o motiva, o que o faz levantar de manhã com vontade de correr mundo e fazer acontecer, para que se possa saber bem o que é o sucesso. No meu caso, o bem-estar e satisfação da família, o sentir que sou útil para as pessoas que me rodeiam e para as organizações a que estão ligadas, são as grandes forças motivadoras. A procura da harmonia, a procura da definição de processos que ajudem a melhoria de pessoas e organizações é a minha vida. Ajudar pessoas e organizações a melhorarem ou aproveitarem o seu potencial, é algo que me dá a sensação de sucesso... de bem-estar... de grande satisfação... E quando no final de um processo me dizem que estão melhores do que quando iniciamos, que valeu a pena estar presente, sinto-me recompensado.

Estes processo, projetos ou atividades, são muito variados... Sinto com frequência uma enorme satisfação no contributo que posso dar aos meus filhos nas suas pesquisas e TPC's, e sinto igualmente grande satisfação quando faço um workshop de criatividade e as pessoas saem radiosas do evento, ou quando se implementa um programa de melhoria 5S, numa organização, e um gerente e os seus colaboradores são unânimes em dizer que foi um processo muito importante para a sua organização e também para as suas relações. Ou ainda quando vamos a um hospital fazer uma palestra motivacional para profissionais da saúde que têm muita pressão em cima, e onde existem dificuldades decorrentes dos trabalhos a que são sujeitos no seu dia a dia, dificuldades de ordem física pela dureza a que são sujeitos e emocional, pelo contacto com casos muito difíceis, e nos dizem que foi muito bom ter a palestra, que os ajudou bastante. A sensação que estamos a ser útil e que vamos provocando pequenas mudanças para melhor na vida das pessoas, que geramos mudança nas organizações e que nos agradecem por isso, é o sucesso que procuro. Na família, entre os amigos, na comunidade ou nas organizações, este é o sucesso que quero. Sinto cada vez mais que, quanto mais sirvo, mais sucesso tenho.

Assim, fico muito satisfeito por me desejarem sucesso... No entanto, sou eu que tenho que definir qual é o tipo de sucesso que quero!

Bom ano de 2018 e Votos de Sucesso.
Enviar um comentário