Earworm XXVI

Dormia um sono lento e era 
um morto
à superfície da terra.
Talvez do seu futuro corpo nascesse 
uma planta, súbito arbusto silvestre
ou simples amora.
Entanto considerava:
Este meu corpo é música sem pausa.
Arbusto sem princípio nem fim.
Assim o dou.

Junho 1963*
Manuel de Castro


Eberhard Weber - nuit blanche



*"Bonsoir, Madame" (Alexandria/Língua Morta)
Enviar um comentário