e o tolo sou eu?


O mullah Nasrudin (personagem central de quase todas as histórias da tradição sufi) já era uma espécie de atração da feira da cidade. Já se dizia que atraía pessoas de fora para ir ver tamanha insensatez. Quando Nasrudim se dirigia até à feira para pedir esmolas, as pessoas costumavam mostrar-lhe uma moeda grande, e uma pequena: Nasrudin, invariavelmente, escolhia a pequena. Era risada geral e os comentários mais ouvidos relatavam sempre a idiotice e a incapacidade de escolher o que era mais adequado para si. Um senhor bondoso, seu conterrâneo, cansado de ver as risadas das pessoas à custa do Nasrudin, explicou-lhe:
"Quando te oferecerem duas moedas, escolhe a maior. Assim terás mais dinheiro e não serás considerado idiota pelos  outros."
"Agradeço-lhe, senhor! É muita generosidade sua e fico tocado pela sua preocupação. Eu reconheço a sua razão!", respondeu Nasrudin. "Mas quando eu escolher a moeda maior, as pessoas vão deixar de me oferecer dinheiro, para provar que sou mais idiota que elas. Dessa forma, ficarei sem sustento." 

Muitas vezes, as ações que se tomam parecem tolas e necessitadas de sensatez e bem senso. Parecem tolas. No entanto, pode ser que quem se faz passar por tolo esteja a ter uma atitude inteligente.
Enviar um comentário